“O MACACO DA VIZINHA” CONTINUA TEMPORADA DE SUCESSO NO SOLAR DO JAMBEIRO

A peça “O Macaco da Vizinha”, dirigida por Victor Salzeda, continua sua temporada nas sextas-feiras e nos sábados de abril e de maio no Solar do Jambeiro. Montagem aplaudida pela comunidade artística de Niterói e do Rio de Janeiro, a apresentação da comédia de Joaquim Manuel de Macedo prima pelo belo tratamento estético e por um processo de cartarse do público, que é transportado para a vida do século XIX. O espetáculo sempre é iniciado às 20h, os portões estarão abertos a partir das 19h30. O ingresso inteiro é vinte reais, garantidas as meias-entradas previstas em lei e tem desconto com a produção da peça através de flyer.

image

SINOPSE (com revelações do enredo)

A comédia musical em dois atos, “O Macaco da Vizinha”, relembra uma opereta e se
passa no final do século XIX. Conta a história de Sofia, uma jovem moça recém- casada com Marcelo, que cria canários para a infelicidade de sua esposa. Sofia alega que seu marido dedica muito tempo a tal tarefa, tempo este que deveria ser investido em dedicação ao seu casamento. O grande “basta” é quando Juvêncio, amigo admirado de Marcelo, começa a cortejá-la em sua ausência. Indignada, Sofia reclama a Beatriz, sua cunhada.
Com uma visão bastante feminista, Beatriz toma as dores de Sofia e trama um plano
para que Marcelo deixe de lado sua criação de canários e passe a dedicar mais tempo ao
seu casamento. O nome “O MACACO DA VIZINHA” é devido a um personagem apenas citado na história: o macaco da vizinha, que por vezes invade o viveiro de Marcelo, causando tumulto entre seus canários e alarde na casa. Marcelo persegue o macaco, mas nunca consegue apanhá-lo. O espetáculo é repleto de comédia e música, o que aproxima ainda mais a plateia da trama. No fim da história Juvêncio se dá mal e o plano de Beatriz tem êxito. Todos ficam felizes com o rumo da história.

ATACEN TRAZ MAIS UMA LEITURA DRAMATIZADA AO SOLAR DO JAMBEIRO

N.Gogol_by_F.Moller_(1848,_Lit.museum)

 

A Associação dos Trabalhadores em Artes Cênicas de Niterói realiza mais uma apresentação de textos teatrais em leitura dramatizada no Solar do Jambeiro, com a co-realização da Fundação de Arte de Niterói. Hoje a leitura de “Diário de um louco” está sob direção de Willy Roessler. O texto narra, em primeira pessoa e om bom humor insuperável, o dia-a-dia de Aksénti Ivánovitch, funcionário público que vive a fantasia esquizofrênica do poder e da riqueza. A entrada é franca, mas recomendamos que o público chegue antes. A distribuição de senhas começa às 19h30, o espetáculo começa às 20h e a duração prevista, de 60 minutos. Classificação etária mínima de 14 anos.

ATACEN

A Associação dos Trabalhadores em Artes Cênicas de Niterói foi fundada em 14 de janeiro de 1985 e reativada em 03 de abril de 2012 em Assembléia Geral Extraordinária realizada no Teatro Municipal de Niterói. É uma associação de direito privado, constituída por tempo indeterminado, sem fins lucrativos, de caráter organizacional, promocional, recreativo e cultural, sem cunho político ou partidário, com finalidade de atender a todos que a ela se dirigem.

SOLAR DO JAMBEIRO CELEBRA ALMA PORTUGUESA HOJE

Como parte da comemoração de seus quinze anos de restauração, o Solar do Jambeiro abre suas portas e reluz sua fachada, um dos conjuntos mais significativos de azulejaria colonial lusitana em nosso país. Dília Gouveia apresenta o espetáculo “Poesia e Fado – Nas Malhas do Devaneio: o dia em que Fernando Pessoa nos reinventou” a partir das vinte horas. A entrada integral é de trinta reais, com respeito a todas as meias-entradas previstas nas leis vigentes.
image

A leitura dramatizada está a cargo da própria Dília Gouveia com Vera Magalhães. O Fado será interpretado pela voz de Zezé Vargas, acompanhada ao violão por Amarildo Silva. No ano das comemorações dos 128 anos do nscimento de Fernando Pessoa, o encontro entre a obra e a vida de um dos maiores poetas da Literatura Universal tem no Fado a expressão profunda da alma portuguesa.

QUEM É DÍLIA GOUVEIA

Dília Gouveia é filósofa e escritora. Formada em Filosofia e em Estudos Portugueses, Literaturas Modernas pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas de Lisboa. Autora, entre outros, de “Nas Malhas do Devaneio – o dia em que Fernando Pessoa nos reinventou”, em 2013, “Movidos pelo Desejo – madame Bovary e Dr. Fausto: a danação da viagem”, em 2013, “Do Assombro e do Provável – Clarice Lispector e Hamlet: o labirinto da consciência”, em 2014, “Do Esplendoroso Caos – Dom Quixote e Nietzsche: a metamorfose do humano”, em 2014.

Membro da Academia Niteroiense de Letras, idealizadora do Clube de Leitura da Blooks, do projeto Filocine, dos Cafés-Concertos Literários, dos Jantares Literários – à mesa com…, do Embarque na Poesia – Flip Paraty, do Trem Poético – Flipoços (em Poços de Caldas), dos Encontros Filosófico-Literários, entre outros eventos dos quais promove e participa como palestrante e mediadora.

Esperamos por vocês!

Solar do Jambeiro funciona normalmente neste feriadão

Foto_VisitaHistorica_CreditoThiagoCortes

Foto: Thiago Côrtes

O Solar do Jambeiro celebra seus quinze anos de restauração de portas abertas neste feriadão de hoje ao próximo domingo. É política da casa de cultura manter suas portas abertas com visita histórica sem agendamento o maior tempo possível. Portanto, nestes dias em que o Brasil celebra duas figuras que norteiam sua história cultural, Tiradentes e São Jorge, O SOLAR DO JAMBEIRO FUNCIONA NORMALMENTE DAS 10H ÀS 18H. 

ColecaodosMeninosPensantes_EdithRocha_BRA visita guiada acontecerá neste horário, sem necessidade de agendamento. No pavimento superior, uma sala com móveis da teatróloga niteroiense Maria Jacintha e oportunidade única de ver as salas de exposições apenas nas suas características originais. Três salas de nosso térreo estão ocupadas com as exposições de Edith Rocha “Minhas Vistas” e a “Coleção dos Meninos Pensantes”. A artista está na casa durante este dia 21 pintando nosso espaço na perspectiva da entrada do jardim. Vale uma conversa com a artista em nossa aprazível área externa.
O nosso jardim, aliás, é um espaço singular para piqueniques, brincadeiras de criançasIMG_0911 que não envolvam objetos que possam causar danos à casa do século XIX tombada pelo IPHAN, fotografias que não usem a fachada e o espaço interior do edifício e um mergulho na apreciação estética de um dos principais conjuntos de azulejaria colonial portuguesa em nosso país.
Hoje tem Seresta ao Solar a partir das 19h30 celebrando os artistas e o gênero musical referido. Sexta e sábado não teremos evento (mas tem visita e jardim normalmente!). A temporada de “O Macaco da Vizinha” volta na próxima sexta, dia 29. No domingo, às 17h, o Sarau no Solar acontecerá normalmente.
Quer saber mais? Curta nossa página no Facebook [/solardojambeiro] e acesse nosso site solardojambeiro.com.br.
Texto de Pablo de Pão  | Fotografias do Acervo do Solar do Jambeiro

SERESTEIROS (EN)CANTAM NO SOLAR DO JAMBEIRO

O projeto Seresta ao Solar, sucesso de público desde 2015, ocupa o Solar do Jambeiro, no Ingá-Niterói, uma vez ao mês. Em abril, será amanhã, dia 21, a partir das 19h30. Músicos da região e principalmente da cidade cantam clássicos do gênero e se confraternizam no quintal do casarão do século XIX. A entrada é franca e, para garantir senha, deve-se chegar antes, pois a distribuição começa às 19h.

PROJETO SERESTA AO SOLAR

“Seresta ao Solar” é um programa que reúne músicos do gênero de Niterói com o objetivo de exaltar a cultura seresteira e promover a troca de experiência entre artista e público. O repertório reúne grandes sucessos das últimas décadas. 

image

Foto de Leo Zulluh.

A noite musical será uma ótima opção de lazer para o feriado. Contará com os cantores Ângela Silva, Luana D’Angola, Celso Rufino, Edinho Borges, Jorge Sun e Sérgio Velho; além dos músicos Lênio Araújo (violão), Dilson Tavares (cavaquinho e pandeiro) e Manoel Moraes (Bandolin). Neste mês, os intérpretes convidados são Adélia Dias e Glória Salgueirinho. 

O encontro tem como objetivo promover a troca de experiências musicais entre os artistas e o público, fomentando ainda mais as tradicionais serestas da cidade. 

A SERESTA

O termo “seresta” é a evolução, no século XX no Brasil, do nome “serenata”. Denomina a mais antiga tradição de cantoria popular das cidades. Com um repertório de caráter sentimental, os artistas andavam à noite pelas cidades a imolar suas honras e falências amorosas. A parada era obrigatória diante das casas das namoradas. Gil Vicente, na farsa “Quem tem farelos?” (1505), descreveu a prática literariamente. No Brasil, há registros de 1717 de serestas acompanhadas pelo francês Le Gentil de la Barbinais, em “Nouveau voyage autour du monde”.

Queridos amigos, sejam muito bem vindos a este lugar mágico que é o Solar do Jambeiro!

Exposições Pensantes

De 15 de abril a 29 de maio de 2016, de terça a domingo, das 10h às 18h, o Solar do Jambeiro recebe duas exposições da artista visual Edith Rocha. Sob curadoria de Edson Motta, “Minhas Vistas” e “Coleção dos Meninos Pensantes” ocupam três salas térreas da casa de cultura, trazendo um ateliê como parte das mostras. Elas instigam o ser humano a construção de um mundo melhor a partir das impressões causadas na artista e intercambiadas com seus “meninos pensantes”. A entrada é franca e a classificação etária, livre.

MinhasVistas_EdithRocha_BRAS MOSTRAS

Seriam duas exposições dentro de um mesmo lugar singular ou dois lugares singulares dentro de um organismo vivo? As mostras “Minhas Vistas” e “Coleção dos Meninos Pensantes”, ambos de Edith Rocha, sob curadoria de Edson Motta, promovem olhares complementares sobre um mesmo tema: o ser humano. “Minhas Vistas” apresenta dez telas que ilustram em flashes as paisagens com as quais a artista conviveu. São aplicadas diferentes técnicas de óleo sobre tela. Já “Coleção dosColecaodosMeninosPensantes_EdithRocha_BR Meninos Pensantes” é composta por outras dez telas reproduzindo situações e meios que instigam viagens mentais e sonhos próprios de cada criança retratada. Todos caminham em uma direção: a construção de um mundo melhor. O objetivo maior da exposição é levar a arte aos mais diversos recantos, utilizando-a como meio de educação e linguagem de sensibilidade trocada entre nós, além de se constituir em grande polo catalisador de turismo e desenvolvimento.

 

EdithRocha

A ARTISTA

Edith Rocha iniciou no mundo da arte ainda menina desenvolvendo desenhos e pinturas ilustrativas de contos infantis. Sua trajetória está marcada por atividades em artes visuais. Após concluir seu curso de Direito, dedica-se totalmente à pintura. Desenha e compõe conjuntos que falavam por si só – manifestação da arte – como uma das linguagens da humanidade. O aprimoramento de seu trabalho tornou-se uma de suas maiores ocupações e, ao buscar seu desenvolvimento, cursou Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro em regime de visiting scholar. Sua técnica de óleo sobre tela sofreu grande influência dos grandes mestres da pintura, aperfeiçoada em visitas a centros de artes internacionais, a oferecer aos amantes e iniciantes das artes uma significativa experiência sensorial. Tendo nascido em Niterói e depois de participar de diversas exposições, Edith chega sentindo-se “honrada” ao Solar do Jambeiro, “um dos ícones da cidade, com seu passado histórico e singular beleza”.